BlogaRH

Como a estratégia do RH pode ser um diferencial competitivo na retenção e atração de talentos

As empresas, e em especial o RH, tiveram que começar a entender o mercado e traçar planos e ações para a busca e retenção de talentos

de Felipe Calbucci em 8 de outubro de 2021
wikimedia

O comportamento das pessoas mudou, e isso fez com que as empresas precisassem mudar a forma de lidar com seus colaboradores. As pessoas buscam por realização não apenas profissional, mas também pessoal, e hoje não é só um bom salário que faz a diferença, mas um ambiente em que o colaborador se sinta confortável. As empresas, e em especial o RH, tiveram que começar a entender o mercado e traçar planos e ações para a busca e retenção de talentos. E assim o Employer Branding começou a ganhar cada vez mais destaque nas organizações.

Employer branding, ou marca empregadora, é um termo que ganhou força nos últimos anos e vem se tornando uma tendência. Ele é a junção do marketing e RH que faz uso de uma estratégia, com intuito de construir e difundir, a longo prazo, uma imagem positiva  da empresa no mercado. Ou seja, fazer com que ela seja um local de trabalho desejado pelas pessoas. Isso além de atrair talentos, faz com que a empresa consiga também retê-los, um dos maiores desafios para o RH hoje. 

Dois pontos que devem ser fortemente considerados quando falamos sobre Employer Branding são Cultura e Reputação. Em uma pesquisa do Indeed com mais de 800 pessoas, 65% dos entrevistados disseram que recusariam uma oferta de emprego devido à má reputação da empresa, contra 64% que recusariam devido ao baixo salário e/ou benefícios insuficientes. Os entrevistados também mencionam as avaliações ruins dos funcionários (43%) e a incapacidade de se identificar com a cultura da empresa (30%) como motivos para recusar uma oferta de emprego.

Todos da empresa devem ser responsáveis pelo Employer Branding, mas principalmente as lideranças, que devem caminhar juntas com o RH. Focar na marca empregadora pode se tornar um diferencial competitivo para a empresa, uma vez que ela conseguirá atrair ótimos talentos e, assim, desenvolver ainda mais sua empresa.

Atração de talentos e diminuição do turnover

A pesquisa do Indeed também revelou que, além do salário, plano de carreira e horas de trabalho/férias, há três outros fatores que os funcionários procuram antes de decidir trabalhar em uma determinada empresa. As ações e iniciativas de responsabilidade social/diversidade (33%), a cultura organizacional (26%) e as avaliações de ex-funcionários (18%). É necessário entender o que as pessoas estão procurando na empresa e trabalhar com essa demanda. Portanto, o RH precisa estudar o mercado e pensar em ações que possam atrair esses talentos, seguindo suas necessidades e principais demandas.  

Em outra pesquisa feita pelo Indeed, feita com cerca de 130 CEOs e tomadores de decisão das principais empresas brasileiras, os entrevistados apontaram que a identificação com a cultura e o propósito da organização (75%) e ter a reputação e marca forte no mercado (47%) são os fatores primordiais para a atração de novos talentos.

A retenção de talentos resulta em menos custo com a busca, contratação e treinamento de um novo colaborador. Se um alto turnover implica em maiores custos para a empresa, isso implica em perda de dinheiro. Por isso, trabalhar na imagem da empresa e garantir benefícios atrativos com intuito de aumentar a satisfação de seus funcionários auxilia muito na retenção de talentos e diminuição do turnover da sua empresa. 

Agregar valor à marca, ajudando a promover a reputação da empresa

Para consolidar uma empresa como marca empregadora, a reputação é um dos pontos mais importantes. Para que as empresas entendam como a sua marca está sendo vista pelo mercado, Página da Empresa em sites de emprego como o Indeed onde funcionários e ex-funcionários têm a oportunidade de classificar as empresas com notas de 1 a 5 e avaliar aspectos como cultura e valores, qualidade de vida, alta liderança, remuneração e benefícios, oportunidade de carreira, diversidade e inclusão, são um meio de avaliar essa reputação. O acompanhamento destas notas e a leitura das avaliações qualitativas fornece bons insights sobre o que os funcionários valorizam na empresa e o que eles gostariam que fosse diferente.

E é possível contar com a ajuda dos próprios colaboradores para divulgar a marca da empresa. Funcionários que falam bem do próprio local de trabalho fazem outras pessoas quererem trabalhar no mesmo lugar. A pesquisa com funcionários mostrou que 60% dos entrevistados procuram sobre uma empresa em seu website, por exemplo. 56% buscam a empresa nas redes sociais, 47% em sites de trabalho, como Indeed e Glassdoor e 45% perguntam aos amigos, parentes e pessoas que possam conhecer a empresa. 

Seja no site oficial, mídias sociais ou com amigos, as pessoas pesquisam a reputação da empresa na qual querem trabalhar. Por isso é importante construir uma imagem positiva no mercado, tornando a marca da organização confiável. 

Em resumo, para aplicar o Employer Branding a empresa deve ter uma cultura forte e bem definida, trabalhando isso internamente com seu time e entendendo como os colaboradores se sentem e o que o mercado espera dela. Além de pensar nas experiências que as pessoas estão tendo com a sua empresa, isso vale desde o primeiro momento, seja no processo seletivo, onboarding, jornada do funcionário, benefícios, clima etc. E, por fim, entender que essa construção é a longo prazo, por isso, deve ser desenvolvida constantemente.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail


Felipe Calbucci

Felipe Calbucci é Diretor de Vendas no Indeed Brasil

-