BlogaRH

Os desafios da liderança remota

De uma hora para outra, dirigentes com décadas de carreira se viram obrigados a orientar sua equipe de forma remota

de Itamar Serpa em 24 de setembro de 2021

Não é novidade para ninguém que com a chegada da pandemia do coronavírus, a nossa vida se deparou com uma realidade radicalmente diversa. Isso também refletiu de forma contundente nas relações de trabalho. Se antes os chefes e subordinados compartilhavam o mesmo ambiente e estavam habituados ao contato presencial, hoje a situação é outra, com cada um conectado por meio de seu computador ou mobile, nas várias partes do negócio em variados territórios. 

Falando em questão de liderança, creio que o desafio tenha sido maior. Imagine o dirigente de uma empresa, com mais de 50 anos de carreira no empreendedorismo, e que de uma hora para outra se viu obrigado a orientar sua equipe à distância. Foi uma habilidade que teve de ser aprendida às pressas, pois as companhias não tinham essa vivência e preparo. Então a pandemia chegou com tudo, todos tiveram que dar expediente de forma remota e o gerenciamento com os times ainda era da forma mais tradicional: presencialmente.

Por um lado, o trabalho remoto é muito vantajoso, pois garante mais alcance na estrutura da empresa, chegando na ponta da hierarquia online, além de que conseguimos atingir mais pessoas, pois as salas virtuais têm capacidade de receber muito mais participantes do que um espaço físico, por exemplo. Também não há mais desgastes com trajetos longos, não é necessário acordar tão cedo para chegar ao trabalho e tem toda a questão da economia de recursos relacionados a transporte como passagem de ônibus, gasolina, manutenção nos carros, acomodação em hotéis, entre outros itens.

Por conta dessas vantagens, a maioria dos trabalhadores desejam manter o modelo de trabalho para sempre. Um estudo conduzido pela Universidade Harvard Business School aponta que 81% dos colaboradores que precisaram trabalhar em home office devido à pandemia do coronavírus querem continuar trabalhando dessa forma mesmo após o fim da crise sanitária.

Como evitar ruídos na comunicação

No entanto, tem outros pormenores que devem ser medidos para evitar problemas de comunicação na companhia, principalmente entre aqueles que exercem cargos de gestão. É necessário atentar para a oportunidade de que todas as decisões cheguem na ponta e atinjam os colaboradores e subordinados de forma assertiva. Em uma realidade em que o contato presencial era falho, devido ao efeito “telefone sem fio”, quando o que chega na ponta é completamente diferente da determinação original.

Dessa forma, é necessário pensar em uma estrutura de trabalho que reúna ações e orientações em um só lugar, de modo que todas as células de uma empresa possam ter acesso. Além disso, a escuta vira algo primordial para evitar interrupções e falhas na hora de se passar uma mensagem. Um método que recomendo bastante é o de ouvir com compromisso. Nele, os gestores são orientados a sempre escutarem primeiro os seus colaboradores para que assim possam dar as orientações. Tudo de forma organizada, sem interrupções, fazendo com que a comunicação seja fluida e que as pessoas realmente entendam umas às outras.

Outro ponto importante para levarmos em consideração é a questão do contato físico. Fomos privados de encontrarmos nossos colegas de trabalho e amigos, o que nos deixou mais solitários. Em alguns indivíduos, isso pode causar problemas sérios como a depressão, já que o ser humano é social por natureza e precisa de interação com outras pessoas para o seu bem-estar.

Nesse aspecto, cabe ao gestor se manter próximo da equipe para garantir uma proximidade de forma segura para os tempos atuais. Por mais que estejamos em fase de constante adaptação, líderes de companhias de várias partes do mundo, incluindo o Brasil, já têm consciência de que é preciso repensar a condução de equipes para o futuro, quando tudo voltar ao novo normal. Um estudo feito pelo Institute for Business Value da IBM ouviu cerca de três mil CEOs de várias companhias ao redor do planeta e todos reconhecem que a quebra de paradigmas é fundamental para continuar tendo sucesso na gestão de pessoas. Dessa forma, com responsabilidade e visão futurista, as lideranças conseguirão gerir equipes cada vez mais completas e preparadas.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail


Itamar Serpa

Itamar Serpa é presidente e fundador da Embelleze

-