Saúde

McDonald’s intensifica suporte para gestantes na pandemia

Criado em 2016, o Laços Dourados, programa de suporte para gestantes, conquistou redução em 30% no número das gestações de alto risco

de Bianca Lucarelli em 29 de julho de 2021

Pensando em dar suporte para gestantes, principalmente nas gestações de risco, a Arcos Dorados, lançou o programa Laços Dourados em 2016. Até hoje, a iniciativa da operadora da rede McDonald’s na América Latina e Caribe, já prestou suporte a mais de 4.900 grávidas.

Como é o caso de Elizabete Inácio, 24 anos, treinadora do McDonalds. “Me ajudou a sentir mais confiança saber que tinha alguém presente, que poderia me dar orientações com as dúvidas que começaram a surgir. Poder conversar sobre as mudanças que acontecem com você e com seu corpo é essencial”, conta. 

Suporte para gestantes

O programa tem como objetivo apoiar as futuras mães, identificar gestações de alto risco e diminuir o índice de prematuridade. Ele atua por meio de contatos periódicos dos especialistas, que estimulam a adesão ao pré-natal e fornecem orientações sobre o período gestacional.

No último ano, o projeto reforçou o acompanhamento e as orientações de especialistas com cuidados relacionados à pandemia. “Liguei para eles por vários motivos e tive orientação sobre alimentação, quais medicamentos poderia ou não tomar e até sobre os cuidados que tinha que adotar depois do surgimento da Covid-19”, completa Elizabete.

Alto risco

Desde o início da pandemia, o programa tem afastado as funcionárias grávidas, reforçando a segurança e o suporte para gestantes. Em 2020, a companhia viu um aumento no número de atendimentos efetivos: chegou a ser 37% maior que no período anterior.

Segundo o Observatório Obstétrico Brasileiro Covid-19 (OOBr Covid-19), o número de casos fatais de mulheres grávidas ou puérperas por infecções respiratórias e outras complicações triplicou em 2021. Isso em relação à média semanal de 2020. 

Outro dado importante é do boletim do  Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). De acordo com o boletim, a taxa de mortalidade da Covid-19 entre mulheres grávidas e puérperas é de 7,2% no Brasil.

O percentual é 2,5 vezes maior que a taxa nacional de 2,8%. Segundo o relatório, assinado por pesquisadores e epidemiologistas da instituição científica, o Brasil é o país com o maior número de mortes maternas causadas pela Covid-19.

Demanda interna

Para Mariana Scalzo, diretora de Comunicação da Divisão Brasil da Arcos Dorados, a pandemia evidenciou a importância desse suporte para as mulheres. “Atualmente, cerca de 59% da equipe de restaurante é feminina e a gravidez é parte da rotina e a pandemia deu maior visibilidade à importância de cuidar da saúde como um todo, principalmente na gestação. Por isso, esse programa se mostrou tão essencial.”

Entre as grávidas de alto risco clínico monitoradas desde 2019, foram evitadas possíveis internações em UTI em 86% dos casos, graças ao conjunto de ações do Laços Dourados. Em 2020, também foi observada uma redução de 85% na quantidade de gestantes que faziam uso de substâncias nocivas à sua própria saúde e à do bebê.

Resultado positivo

No último ano também foi identificado uma redução de 30% no número de gestações de alto risco monitoradas. Com uma média superior a mil atendimentos por ano, o programa tem se mostrado uma ferramenta fundamental para dar suporte às funcionárias gestantes.

“O aumento de participação mostra que estamos no caminho correto para impactar positivamente o dia a dia das colaboradoras e suas famílias. Essa é uma grande preocupação da Arcos Dorados, que como grande empregadora, segue olhando para diferentes maneiras de melhorar a qualidade de vida de todos os seus funcionários”, destaca Mariana.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail


-